Uma doença pouco conhecida e subdiagnosticada.

Você provavelmente nunca ouviu falar sobre o Lipedema, mas provavelmente já viu alguém que sofra com ele, mesmo que de longe. Alguém que não entenda o porquê das pernas se mostrarem desproporcionais ao resto do corpo, que o cansaço físico por conta das pernas pesadas não permita realizar atividades cotidianas. Alguém que mesmo com dietas e exercícios não consiga eliminar a gordura localizada nessa região. Alguém que já procurou ajuda médica e saiu com o diagnóstico de Obesidade ou Linfedema.

pernas-1

O Lipedema é um excesso de tecido adiposo, ou seja, gordura com crescimento anormal e desproporcional em determinada parte do corpo. Geralmente acomete pernas, coxas, quadris e em alguns casos, os braços. Também sabemos que é uma doença que atinge em sua maioria a população feminina. Muitas destas pacientes relatam dores e início dos sintomas na puberdade. Sabe-se que picos hormonais como gestação, menarca e uso de anticoncepcional podem desenvolver ou agravar o quadro.

Causas e sintomas

Por mais curioso que pareça, não existem muitos estudos claros e conclusivos sobre o que causa esse acúmulo de gordura excessiva nas pernas e braços.
Suspeita-se que haja causa genética e que fatores metabólicos, inflamatórios e antes de tudo hormonais possam influenciar. Alguns sintomas:

Alguns sintomas:

  • Dor em tecido mole, ao caminhar ou em repouso e sensibilidade ao toque.
  • Fragilidade capilar, ou seja, hematomas frequentes.
  • Excesso de gordura nas pernas, coxas, braços e o não acometimento dos pés ou mãos até certo estágio.
  • Marca anelar acima do tornozelo.
  • A textura da pele é borrachosa e com excesso de celulite.
  • Em alguns casos apresentam uma bolsa gordura abaixo do joelho;
  • Não apresentam grandes mudanças com dietas ou exercícios.

Exames e Diagnóstico

Se não existe um exame laboratorial ou de imagem específico para diagnosticar o Lipedema, como podemos chegar ao diagnostico?

dr-1-768x484

É muito comum que a paciente já tenha um histórico de idas ao médico que acabaram frustradas por conta de diagnósticos e tratamentos que não surtiam efeito.

O diagnóstico deve ser clínico. A partir de anamnese e avaliação física realizada pelo médico. Isso é, relato da paciente. A relação médico-paciente é de extrema importância neste momento. Entender o que a paciente está dizendo e qual é sua necessidade.

São queixas características de uma paciente que sofre com o Lipedema: dores fortes, piora progressiva, os membros afetados não respondem a dietas, pernas desproporcionais ao resto do corpo. A autoestima dessa paciente está comprometida e a dificuldade em realizar atividades cotidianas pioram esse sentimento.

Em nosso protocolo de Lipedema utilizamos alguns exames que nos ajudam a entender melhor o quadro da paciente e descartar outras hipóteses.
Por exemplo, a Linfocintilografia que nos certifica de que o sistema linfático está em ordem. A Bioimpedância, que quantifica o volume de gordura, assim como a Ressonância magnética.

rnm

Acima ressonância magnética de paciente com Lipedema.

Na imagem podemos notar a musculatura na área escura e a gordura bem destacada em branco.

Cada paciente tem uma necessidade diferente e cada caso deve ser avaliado individualmente. A partir do momento em que entendemos o quadro do paciente é hora de pensar no tratamento adequado.

ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS